Anel Giratório com Cruz e Oração do Senhor (Pai Nosso) em Espanhol - Titânio (Aço Cirúrgico) - Tons Prata e Preto - nºs 20/21 e 22/23 - Aroma & Magia
  Carregando... Por favor, aguarde...
Contate-nos por e-mail!
Aroma & Magia

Anel Giratório com Cruz e Oração do Senhor (Pai Nosso) em Espanhol - Titânio (Aço Cirúrgico) - Tons Prata e Preto - nºs 20/21 e 22/23

  • Imagem 1

Preço:
R$ 19,98
Duvida:
Entrega:
Números:
Quantidade:

Descrição do Produto

A Oração do Senhor, também conhecida como o Pai Nosso (ou Pai-Nosso), é talvez a oração mais conhecida do cristianismo.

Duas versões dela ocorrem no Novo Testamento: uma no Evangelho de Mateus (Mateus 6:9-13), como parte do discurso sobre a ostentação, uma secção do Sermão do Monte; e a outra no Evangelho de Lucas (Lucas 11:2-4).

O contexto da oração em Mateus é uma parte de um discurso, sobre um povo sofrido que ora grandiosamente, simplesmente com a finalidade de ser visto orando; Mateus descreve Jesus ensinando as pessoas à orar "após a fórmula" dessa oração.

Tendo em conta a estrutura da oração, fluxo de sujeito e ênfases, uma interpretação da Oração do Senhor é como uma orientação sobre como orar em vez de aprender algo ou repetir por hábito.

Há outras interpretações sugestivas que a oração foi concebida como uma oração específica à ser usada.

O Novo Testamento relata Jesus e seus discípulos orando em várias ocasiões; mas nunca os descreve usando essa oração, é incerto o quão importante ela foi originalmente vista e tida.

No dia da Páscoa, foi estimado que dois bilhões de cristãos católicos, anglicanos, protestantes e ortodoxos leram, recitaram ou cantaram a oração em milhares de línguas.

Embora muitas diferenças teológicas e vários modos e maneiras de adoração dividam cristãos, de acordo com o professor Clayton Schmit do Seminário Fuller "há um senso de solidariedade em saber que os cristãos ao redor do globo estão orando juntos..., e estas palavras sempre nos unirão."

A Bíblia do Peregrino, por meio de Nota de Rodapé à Mateus 6:13, observa que essa oração ressoa a experiência de Israel no processo de sua libertação, o que inclui: provações no deserto, o maná cotidiano, a vontade de Deus promulgada como Lei, a santidade cultual do nome de Deus revelada por Moisés e o reinado de Deus pela aliança na Terra Prometida.

A Tradução Ecumênica da Bíblia, por meio de Nota de Rodapé à Mateus 6:9, observa que essa oração:

    assemelha-se tanto pelo conteúdo como pela forma à "Oração das Dezoito Preces", que os judeus rezam ainda hoje, mas que se distingue, em primeiro plano, pela simplicidade e pela liberdade como Deus é invocado, além disso a ordem das petições é diferente e característica do ensinamento de Jesus;
    tem em seu início uma prece tríplice que tem como ápice um apelo à intervenção de Deus para o advento de seu Reino;
    depois tem lugar uma série de petições que exprimem as necessidades essenciais dos discípulos;
    o emprego da primeira pessoa do plural dá um caráter comunitário à oração;
    na versão apresentada no Evangelho segundo Mateus há sete petições, enquanto que na versão apresentada no Evangelho segundo Lucas contém apenas cinco petições, e que seria impossível dizer qual a versão mais antiga, devendo ambas as formas terem sido empregas em comunidades cristãs primitivas;
    existem dificuldades para oferecer a tradução dessa prece para uma língua moderna, a compreensão de certas expressões exigiria um bom conhecimento do Antigo Testamento e do judaísmo antigo, razão pela qual as traduções literais nem sempre seriam as melhores.

Segundo a doutrina católica, Jesus ensinou o Pai Nosso aos seus discípulos, que estavam ansiosos em saber como rezar bem, no famoso Sermão da Montanha.

O Pai-Nosso é uma "oração cristã insubstituível", "a síntese de todo o Evangelho (Tertuliano) e a oração perfeitíssima (São Tomás de Aquino)".

A tradição litúrgica da Igreja usou sempre o texto de Mateus 6:9-13:25
    Pai Nosso que estais nos Céus,
    santificado seja o Vosso Nome,
    venha a nós o Vosso reino,
    seja feita a Vossa vontade
    assim na terra como no céu.
    O pão nosso de cada dia nos dai hoje,
    perdoai-nos as nossas ofensas
    assim como nós perdoamos
    a quem nos tem ofendido,
    e não nos deixeis cair em tentação,
    mas livrai-nos do Mal.
    Amém.

Há, nos dias atuais, uma versão da oração rezada incorretamente em português, onde os "Céus" estão no singular e ocorre a omissão do pronome oblíquo átono da 1ª pessoa do plural "nos".

Para a Igreja Católica, o Pai-Nosso é também "a oração da Igreja por excelência visto que as suas sete petições, fundadas no mistério da salvação já realizada, serão plenamente atendidas na vinda do Senhor.

O Pai Nosso é também parte integrante da Liturgia das Horas".

Estas "sete petições a Deus Pai" são divididas em duas partes:
    "as primeiras três, mais teologais, aproximam-nos d’Ele, para a sua glória: pois é próprio do amor pensar antes de mais n’Aquele que amamos. Elas sugerem o que em especial devemos pedir-Lhe: a santificação do seu Nome, a vinda do seu Reino, a realização da sua Vontade".
    "as últimas quatro apresentam ao Pai de misericórdia as nossas misérias e as nossas expectativas. Pedimos que nos alimente, nos perdoe, nos defenda nas tentações e nos livre do Maligno".

Para além destas petições, o Pai-Nosso também revela à humanidade a sua relação especial e filial com Deus Pai.

A partir de então, "podemos invocar a Deus como Pai, porque Ele nos foi revelado por seu Filho feito homem e porque o seu Espírito no-Lo faz conhecer.

Ao rezar a oração do Senhor estamos conscientes e absolutamente confiantes de sermos filhos de Deus e de sermos "amados e atendidos" por Deus Pai.

Sempre que rezamos ao Pai, adoramo-Lo e glorificamo-Lo com o Filho e o Espírito", porque estas três Pessoas divinas formam a Santíssima Trindade.

Nesta oração considerada pelos católicos como única e profunda em significado, os fiéis invocam também Deus como "Pai Nosso porque a Igreja de Cristo é a comunhão duma multidão de irmãos que têm um só coração, uma só alma (At 4,32 e um só Deus.

Jesus, nesta oração, afirma que Deus está nos céus porque Ele, o infinitamente santo, não está apenas num lugar físico próprio, mas sim "no coração dos justos", daqueles que fazem a Sua vontade.

Esta afirmação também faz lembrar aos crentes que "o céu, ou a Casa do Pai, constitui a verdadeira pátria para a qual tendemos na esperança, enquanto estamos ainda na terra.

Nós vivemos já nela 'escondidos com Cristo em Deus' (Cl 3,3)".

Mas, independente dos significados e ensinamentos que tenhamos recebido em nosso batisto, seja ele em qualquer religião, apresentamos, a seguir, o significado da Cruz que é apresentada no anel, além da Santa Oração.

O problema da dor é ter um símbolo e ele ser a cruz.

Mas por que seria a cruz o símbolo perfeito do sofrimento?

Porque ela é feita de duas barras: uma horizontal e outra vertical.

A barra horizontal é a barra da morte... é como a linha da morte nos eletro-encefalogramas: reta, prostrada.

A barra vertical é a barra da vida: ereta, de pé, inclinada para o alto.

O cruzamento de uma barra sobre a outra significa a contradição entre a vida e a morte, entre a alegria e o sofrimento, sorriso e lágrimas, prazer e dor, nossa vontade e a vontade de Deus. O único modo de se fazer uma cruz é sobrepor a barra da alegria sobre a barra do sofrimento. Em outras palavras: nossa vontade é a barra horizontal, enquanto a vontade de Deus é a barra vertical, na medida em que nós sobrepomos nossos desejos e nossas vontades contra a vontade de Deus, formamos assim uma cruz. Desse modo, a cruz se torna o símbolo da dor e do sofrimento.

Todavia, se a cruz é o símbolo perfeito do problema da dor, o Crucifixo então é a sua solução.

A diferença entre a cruz e o Crucifixo é Cristo.

Uma vez que Nosso Senhor, que é por si só o Amor, sobe na cruz, Ele nos revela como o amor pode ser transformado pelo amor num alegre sacrifício, como aqueles que semeiam em lágrimas podem colher com alegria, como aqueles que choram podem ser confortados, como aqueles que sofrem com Ele podem também reinar com Ele e com aqueles que carregam suas cruzes.

O Amor é o ponto de intersecção onde a barra horizontal da morte e a barra vertical da vida reconciliam-se na doutrina de que toda a vida vem através da morte.

E, como sabemos, que  fé não tem idioma, nosso anel, além da Cruz, apresenta a oração  do Senhor (Pai Nosso), em espanhol, conforme segue:

Padre nuestro, que estás en el cielo,
Santificado sea tu Nombre;
Venga a nosotros tu reino;
Hágase tu voluntad en la tierra como en el cielo.
Danos hoy nuestro pan de cada día;
Perdona nuestras ofensas,
Como también nosotros perdonamos a los que nos ofenden;
No nos dejes caer en la tentación, y líbranos del mal.
Amén!

Depois dessa explicação toda apresentamos o Anel Giratório com Cruz e Oração do Senhor (Pai Nosso) em espanhol - Titânio (Aço Cirúrgico) - Tons Prata e Preto - nºs 20/21 e 22/23 para que você compartilhe o Amor com Cristo ou os seus, ou ainda o faça de presente.

Por tratar-se de produto importado, em aço cirúrgico (titânio), possuímos algumas unidades apenas das numerações apresentadas, e que, por esse preço, deverão seguir brevemente para nossos amigos que nos acompanham pela beleza da peça, motivo pelo qual pedimos que verifique sua numeração junto a uma joalheria/relojoaria que possua um medidor de dedos (anelário), pois não teremos como providenciar a troca.

Mais um produto que, dificilmente, você encontrará em lojas esotéricas (físicas ou virtuais) por tratar-se de produto importado.

Material: titânio (aço cirúrgico) em tons prata e preto.

Dimensões aproximadas: de 2,0 a 2,3 cm de diâmetro x 0,5 cm de largura.

Poucas peças, garanta já a sua!

Deixe seu comentário sobre o produto

Comentários sobre o produto

Este produto não foi comentado ainda. Seja o primeiro a comentar sobre este produto!


Aroma & Magia
Televendas:
info@aromaemagia.com.br
Horário de Atendimento:
24 Horas no Ar!
 

São Paulo - Capital - Não Possuímos Loja Física