Talismã/Amuleto de Proteção Vassoura Mágica de Bruxa (Natural) com Pedra de Ametista e Pingente Meia Lua Dourado - Aroma & Magia
  Carregando... Por favor, aguarde...
Contate-nos por e-mail!
Aroma & Magia

Talismã/Amuleto de Proteção Vassoura Mágica de Bruxa (Natural) com Pedra de Ametista e Pingente Meia Lua Dourado

  • Imagem 1

Preço:
R$ 9,99
Duvida:
Entrega:
Quantidade:

Descrição do Produto

Apesar de sempre serem vistas com as Bruxas voando por aí, a Vassoura Mágica de Bruxa é a ferramenta que simboliza tanto a Deusa quanto o Deus.

Talvez pela sua forma, a vassoura se tornou uma poderosa ferramenta contra maldições e práticas de Magia Negra.

Se deitada sobre a entrada de uma casa, ela "varre" todos os fluidos contrários que forem jogados na casa ou em alguém que nela more.

Se colocada embaixo do travesseiro, ela traz bons sonhos e protege.

Ainda hoje, a vassoura é muito usada na Arte.

Um Wiccaniano deve começar o ritual "varrendo" o local com a Vassoura Mágica.

Depois disso, o Altar é construído, as ferramentas são carregadas e o ritual está pronto para começar.

Não é necessário que a vassoura toque o chão.

Faça apenas os movimentos, visualizando que você está tirando todas as forças negativas que estão naquele local.

Ela purifica a área usada para os rituais.

E, como é um Instrumento de Purificação, a vassoura é ligada ao Elemento da Água, por isso, é usada em todos os Rituais ligados a Água, assim como Feitiços do Amor e Trabalhos Psíquicos.

Algumas Bruxas colecionam vassouras, e mostram exuberantes variedades em seus materiais, fazendo disso um hobby muito interessante, chegando até a fabricá-las.

Se você deseja fazer uma Vassoura Mágica, deve tentar uma antiga "fórmula" que a Maga Babu nos contou: um corpo de resíduo mineral, galhos de vidoeiros e uma atadura de salgueiro. O resíduo mineral é para a proteção, o vidoeiro purifica, e o salgueiro é sagrado para a Deusa.

É claro que um galho de qualquer árvore ou arbusto deve servir para substituir a vassoura.

Para complementar a proteção, no final da vassoura foi agregada uma pedra ametista (na cor lilás) acima do laço, que é a pedra que foi muito apreciada pelos egípcios que a consagraram ao deus lunar Toth.

Os gregos a associaram a Mercúrio e foi, também, a pedra preferida dos hebreus.

São João a considerou a pedra base da cidade celestial do Apocalipse.

No Medievo foi usada em forma de contas para rosários pela sua natureza e poder benéfico à meditação.

Uma ametista, quando situada à altura do Chakra do terceiro-olho (frontal) ajuda a ter uma visão objetiva das situações e restitui a harmonia psíquica necessária.

A influência benéfica da ametista é muito ampla a compreende tanto aspectos físicos como psíquicos e esotéricos.

A tradição assegura que esta pedra atrai a sorte, chama o amor, favorece a clarividência, afasta os medos e incrementa a atividade intelectual, pelo que se recomenda que traga sempre consigo uma ametista e que coloque uma destas gemas debaixo da almofada para afugentar os pesadelos e assim desfrutar de sonhos tranquilos e até mesmo proféticos.

As vibrações da ametista acalmam estados de irritabilidade, favorecem a paz de espírito, aumentam a coragem e aguçam a intuição.

Também é considerada o melhor amparo para os viajantes, porque os protege dos possíveis roubos e afasta os males e os perigos de todo o tipo.

Muito utilizada para fortalecer a memória, aliviar dores de cabeça e, especialmente, a ela é atribuído o poder de ajudar a abandonar maus hábitos ou dependências.

A Ametista possui as seguintes características básicas em suas propriedades terapêuticas e esotéricas:
1 - Permite bom discernimento.
2 - Afasta a culpa.
3 - Estimula a inteligência.
4 - Fomenta a esperança.
5 - Acalma a tormenta sentimental.
6 - Atrai a prosperidade.

No Oriente também é costume usá-la na testa, acreditando-se que exerça influência positiva sobre o chakra Ajna, conhecido também por "terceiro olho".

A Meia Lua é um dos mais antigos símbolos mágicos, gnósticos e esotéricos, mas nunca se refira a ela como um elemento mau, pois a lua é a que ilumina nossas noites, em quatro fases e se Deus a pôs no Céu, para juras e testemunho de amor dos seres humanos, seus filhos, jamais seria um elemento mau.

Um dos melhores exemplos disso pode ser visto nas estátuas e pinturas da Imaculada Conceição se distinguem por terem aos pés o dragão (quase sempre representado pela serpente) e a meia-lua. Dois símbolos fortes, oriundos tanto da cultura universal quanto das páginas bíblicas.

É sabido que a lua ocupa um lugar destacado na simbologia, religiosa e profana, de todas as culturas antigas. Quase sempre em ligação estreita com o sol. Nos quadros dos reis e imperadores divinizados em vida, costumava-se pintar o sol e a lua por sobre suas cabeças, para dizer que eles estavam "nas alturas". Maria, que carrega consigo o sol divino, tem a lua debaixo dos pés: está marcada por Deus, é a "cheia de graça", é mais alta que os céus que abrigam o sol e a lua, é celestial, ainda que habite em Nazaré e caminhe por Jerusalém.

Um dos significados mais presentes na figura da lua é o da morte e ressurreição, porque a lua nasce, cresce, alcança um auge, mingua e "morre" para "ressuscitar" três dias depois.

Não foi difícil ligar esse simbolismo ao papel de Maria: gerar aquele que passará por todo o ciclo da vida e da morte, mas ressurgirá, refazendo a vida. Maria, imaculada, que carrega a Vida divina, tem o pequeno ciclo da vida e morte humanas sob seus pés: é senhora e dona da vida e da morte.

A lua sempre esteve ligada, por seu ciclo de 28 dias, à fecundidade. Todos os povos sabiam que a lua tinha influência sobre o brotar das sementes e o amadurecer das espigas. As mulheres sabiam que seu ciclo feminino se parecia muito ao da lua. Por isso mesmo, a lua era considerada a deusa da fecundidade, do parto e até mesmo do tempo (muitos povos, inclusive o hebreu, contavam os anos pela lua). Mas, por ser iluminada pelo sol sem nada perder de sua integridade, algumas culturas, como a romana, honravam a lua como deusa da virgindade. Mãe e virgem ao mesmo tempo era Maria. A lua sob seus pés lembra o duplo e inseparável privilégio de Maria: ser mãe, permanecendo virgem.

A lua depende do sol, mas brilha soberana no meio da noite. Maria depende do Cristo, em função de cuja maternidade recebeu todos os privilégios, mas, exatamente por causa do Cristo-Sol, não é afetada pelas trevas do pecado, brilha límpida com a luz que lhe vem da maternidade divina.

Todos esses símbolos e outros estão contidos na frase do Apocalipse, que inspirou os escultores: "Apareceu no céu um grande sinal: uma mulher vestida do sol, com a lua debaixo dos pés". Nos primeiros séculos do Cristianismo, essa mulher vestida do sol era interpretada como sendo a Igreja, que recebe toda a luz do Cristo. Aos poucos, a mulher revestida de sol passou a significar Nossa Senhora. A lua, sob seus pés, sem deixar o simbolismo pagão, assumiu novo significado: Maria é a senhora dos tempos, a mãe das mães e a virgem das virgens, humana mas santíssima, terrena mas elevada acima dos astros e no mais alto dos céus, aquela que resplandece na plenitude da luz da graça sem jamais ter conhecido a escuridão do pecado. Essa página do Apocalipse é lida como segunda leitura na festa de Nossa Senhora Aparecida.

No islamismo, por exemplo, a meia-lua, associada a uma estrela, é imagem da ressurreição.

Muitos ainda a comparam ao Ictus (ou o símbolo do Peixe, que representa o Cristianismo).

Trata-se de um acrônimo, utilizado pelos cristãos primitivos, da expressão "Iesus Christos Theou Uios Soter" (em grego antigo), que significa "Jesus Cristo, Filho de Deus, Salvador". Foi um dos primeiros símbolos cristãos, juntamente com o crucifixo e continua a ser usado principalmente pelas denominações evangélicas.

O Ictus também era utilizado para marcar catacumbas cristãs na época de perseguição aos cristãos. Outra utilidade era o uso para comunicação: um cristão marcava um lugar com uma meia-lua para baixo, se o outro também fosse cristão, marcava a meia lua para cima, formando o símbolo.

A Meia Lua é uma das quatro fases da Lua em que ela se apresenta como um semicírculo luminoso, podendo ser crescente ou minguante.

Claro que com a passagem do tempo e nesse grande espaço também começou a ser utilizado com o surgimento da WICCA e das correntes New Age e neopagãs, e não possui relatos muito significativos entre povos antigos.

Os antigos povos que adoravam deusas lunares comumente desenhavam círculos ou semicírculos (meia luas) como alusão à lua, mas não exatamente da forma como a triluna ou a semiluna.

Na filosofia oriental, sabemos que o Sol significa a força e o poder do masculino (por exemplo, ying e yang), sendo o primeiro o principio feminino, a Lua, e o segundo o principio masculino, o sol...

A Meia Lua também signifca Demilunar, também chamada de luniforme ou semilunar. A expressão é mais utilizada pela área da medicina, para designar partes do corpo humano.

Semilunar é um sinônimo de demilunar, e possui diversos significados. Existe o osso semilunar, que é um osso da mão humana,, que possui uma concavidade, em forma de uma meia lua, conhecida como lua crescente ou minguante. Esse osso está bem próximo ao pulso. Há também a válvula semilunar, também chamada de sigmoide, que é uma válvula que se encontra na base das artéria aorta e artéria pulmonar, e impede que o sangue volte ao coração.

Algumas outras definições (e filosofias) também são feitas à meia lua, como:
- Relacionada a Júpiter e representado por uma meia-lua crescente (símbolo da consciência da alma);
- Relacionada a Saturno e representado simbolicamente por uma cruz surgindo de uma meia-lua crescente, significando a manifestação da consciência;
- Relacionada a Netuno e representado por uma lua crescente em posição horizontal, atravessada por uma linha vertical (o espírito) da qual pende uma cruz (a matéria);
- Representa a água, o estado líquido, lemanjá e os elementais da água, as ondinas e as sereias. E relacionado aos sonhos e à Lua. Sua cor de equilíbrio é vinho, violeta e lilás, a nota musical é Si e desperta o chakra Svaddhistana.

Enfim, o significado que quiser dar ao seu Pingente Meia Lua (nosso brinde), em tom dourado, deixamos à sua escolha, lembrando que possuímos poucas apenas unidades em nosso estoque, para nossos amigos que sabem que nossas escolhas de produtos são feitas a dedo e com muito carinho e pesquisa.

Este amuleto também é indicado para ser pendurado em seu automóvel protegendo-o assim de inveja e mau olhado.

Mais uma obra de arte exclusiva das artesãs da Aroma & Magia.

Cabo feito em madeira, com galhos de planta seca natural, totalmente artesanal, é fechada com fios e laceado pela fita vermelha.

Medidas aproximadas: 18 cm de comprimento x 0,6 cm de profundidade x 4 cm de largura (contando de ponta a ponta da vassoura).

Materiais utilizados: madeira, palha, fita vermelha pedra semi preciosa de ametista, meia lua de metal em tom dourado, em estilo pingente.

Por tratar-se de produto artesanal as cores e formatos podem ter pequenas variações em relação à da foto ilustrativa.

Por tratar-se de um amuleto delicado possuímos poucas unidades do Talismã de Proteção Vassoura Mágica de Bruxa (Natural) com Ametista e Pingente Meia Lua Dourado!

Deixe seu comentário sobre o produto

Comentários sobre o produto

Este produto não foi comentado ainda. Seja o primeiro a comentar sobre este produto!

Últimos Visualizados por você:

Os últimos produtos visualizados:


Aroma & Magia
Televendas:
info@aromaemagia.com.br
Horário de Atendimento:
24 Horas no Ar!
 

São Paulo - Capital - Não Possuímos Loja Física